Hospital improvisou com uma garrafa de plástico para fazer de máscara… E o bebé morreu…

Uma recém-nascida morreu 10 horas após o parto, porque o hospital não tinha máscaras de oxigénio disponíveis, e improvisou com uma garrafa plástica.

Uma recém-nascida morreu 10 horas após o parto no hospital de Jutaí, 751 Km de Manaus, no Brasil. Sem máscaras de oxigénio, o hospital improvisou com garrafas de plástico na internação da criança e do irmão gémeo, que nasceram com problemas respiratórios. A direção da unidade afirmou que a falta da máscaras de ventilação teria contribuído para o óbito do bebé.

bebes_garrafa_1

O menino Gabriel teve alta neste domingo (31), mesmo tendo nascido com 7 meses de gestação. A Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam) investiga o caso.

A tia das crianças disse que os bebés nasceram em parto normal por volta de 1h do dia 28 e que a menina morreu às 11h. Segundo Rayssa Neres, a família foi comunicada que o hospital não possui incubadora e que estava sem máscaras de oxigénio.

“O médico cortou a garrafa e colocou nos bebés, porque não tinha aparelho nem nada. Ele não tem culpa. Tentou ajudar”, diz a tia.

bebes_garrafa_2

Rayssa diz que as ‘máscaras de garrafas plásticas’ chegaram a melhorar a respiração dos bebés, mas a improvisação acabou por magoar aos gémeos. “Machucou os pescoços deles. Ficou roxo e o médico precisou afrouxar. Outro problema foi que havia apenas um [cilindro] de oxigénio para as duas crianças. Isso nos preocupou”, comenta.

Após a morte da recém-nascida, o irmão dela continuou internado com a garrafa como máscara. Neste domingo, ele recebeu alta. No entanto, o fato de Gabriel ter sido liberado após nascer de forma prematura tem deixado a família em alerta.

“O médico disse que ele está bem e teve alta, porque o hospital não tem incubadora. Mas estamos preocupados, porque ele nasceu meses antes do previsto. Queremos que ele vá para Manaus, para poder receber acompanhamento”, afirma a tia.

Resposta: Em nota, a Susan informa que não foi acionada pelo hospital de Jutaí sobre a gravidade da situação. A pasta afirma que também não recebeu solicitação “de serviço de remoção aérea, que está funcionando normalmente para os casos de maior gravidade que não podem ser resolvidos nos municípios”.

Nesta segunda (1º), será enviada ao município uma equipa da Secretaria-Adjunta de Atenção Especializada do Interior para investigar o caso e adotará as medidas possíveis.

Accionada neste final de semana pela Susam, a direção do hospital informou que os gémeos nasceram prematuros e que a menina tinha um quadro pulmonar mais debilitado.

Mesmo tendo sido submetida aos mesmos procedimentos que o irmão (que já recebeu alta do hospital), não resistiu devido ao quadro de infecção respiratória aguda de etiologia alveolar, ocasionada por síndrome de membrana hialina, principal complicação de prematuridade.


Segue a nossa página de facebook:




Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *