EUROPA TEME REFUGIADOS! Mais de 100 mulheres agredidas na mesma cidade! E prometem mais!

Mais de cem mulheres foram agredidas de forma imprópria, e alvos de roubos violentos, na mesma cidade, por grupos de refugiados. O grupo de atacantes pode ter mais de dois mil homens árabes e norte-africanos.

Mais de cem mulheres apresentaram queixa por roubos violentos e agressão imprópria, na cidade de Colónia, na Alemanha. De acordo com o que a polícia conseguiu apurar, os ataques aconteceram por grupos de trinta ou mais homens, durante as celebrações do Reveillon. Além das detenções de alguns suspeitos, também os testemunhos das vítimas identificaram os agressores como árabes e norte-africanos. Uma onda de violência que está a assustar a Alemanha e a gerar uma onda de contestação contra as políticas da chanceller alemã Angela Merkel.

suspeitos_refugiados

Ataques organizados

A polícia alemã recebeu mais de cem queixas por violência e agressões e as vítimas e a população estão a começar a culpar os refugiados, que o país está a tentar ajudar pela guerra com o Estado Islâmico. Para muitas pessoas, os agressores, identificados como sendo árabes e norte-africanos, poderiam ter entrado no país como refugiados. Uma informação que nem a polícia nem o governo alemão confirmaram ainda.

Para já, poderiam ser dois mil os implicados nesses ataques, que estariam organizados em grupos. Com fogos de artifício acabaram gerando algumas distrações, para roubarem e agredirem mulheres. Uma delas, Jenny, foi mesmo atacada com um engenho explosivo, que a deixou queimada. As marcas vão ficar, mas não só as da pele. Jenny está aterrorizada, como muitas mulheres, que estão sendo aconselhadas a não sair sozinhas no fim do dia para lugares públicos.

Uma outra vítima, Michelle, contou que estava com amigas quando notou a presença de um grupo de vinte ou 30 homens a cercarem-nas. Empurraram-as, deitaram-as no chão e aproveitaram para roubar alguns objetos e dinheiro. Outras vítimas contam que os homens as agrediram, “tocando-lhes entre as pernas”, em sinal intimidatório e de distração das vítimas.

Os ataques se espalharam, de forma aparentemente organizada, por toda a cidade.

Apesar da imprensa alemã ter tentado esconder ao máximo o enorme ataque que ocorreu contra centenas de mulheres na passagem de ano, há cada vez menos dúvidas que a grande maioria dos seus autores são recém-refugiados, que estão na Alemanha há poucas semanas. Tal como informa o “Daily News”, à medida que se vai conseguindo deter cada vez mais responsáveis os pormenores chocantes do que acontece nessa noite vão sendo revelados. Além de ter sido um ataque organizado por parte de mais de mil homens às mulheres alemãs, o objetivo era agredir [email protected] o máximo de pessoas possível.

Segundo informa o jornal “Telegraph”, alguns dos refugiados que já foram detidos pelas autoridades alemãs estavam transportando consigo frases em árabe traduzidas para alemão, com o objetivo de as gritar no momento do ataque. Entre as palavras contidas nesses papéis estavam “Mato-te”, “Tens um peito lindo” e “Quero fazer s3x0 contigo”.

Além disso, segundo a imprensa internacional, o ataque foi filmado por vários celulares dos seus responsáveis, provando ainda mais que esse ataque foi tudo menos espontâneo. Segundo reporta o “Daily News”, enquanto as autoridades estavam a tentar controlar a situação e deter o máximo de responsáveis possível, muito estavam a gritar “não nos podem fazer mal, somos convidados da Merkel”. Um dos refugiados responsáveis pelo ataque organizado teria dito que as autoridades não podiam fazer nada pois ele teria “outra mulher amanhã de manhã”, deixando assim uma ameaça grave em forma de promessa.

Apesar do ataque ter vitimado mais de uma centena de mulheres em Colónia na noite de passagem de ano, apenas a imprensa alemã e internacional deu cobertura ao ataque seis dias depois de acontecer. Ao que tudo indica, o objetivo do Governo alemão seria quase mascarar esse evento, para que a opinião pública não tivesse uma imagem negativa dos refugiados. Outra das intenções é que os partidos de extrema-direita alemães não ganhassem mais força, visto que os ataques contra os refugiados no país estão aumentando também significativamente, algo que só piorará depois de revelados os pormenores desses crimes envolvendo mulheres indefesas.

Angela Merkel contestada

A chanceler alemã está a ser culpabilizada por esses ataques, após permitir a entrada de um milhão de refugiados em 2015, muitos deles fugiram da guerra na Síria.

A polícia de Dusseldorf está a colaborar na investigação e já anunciaram ter identificado mais de dois mil suspeitos de origem norte-africana, relacionados em crimes de roubo organizado desde o início de 2014.

O Carnaval poderá trazer um novo foco de violência organizado na Alemanha e o país já está a temer o pior.

Fonte: br.blastingnews.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.