Há pessoas a viver neste “buraco” desde 1915 e ninguém imaginava! Quando viram o seu interior… Incrível!

A cidade Australiana de Coober Pedy ficou conhecida por esta característica de viverem nos buracos.

Desde 1915, humanos vivem neste buraco que te vamos mostrar a seguir. O ser humano é incrível na hora de inventar maneiras de como sobreviver.

A região é conhecida por ter poucas árvores, o que faz com que o clima seja extremamente quente. Respirar por lá, em determinados dias do ano pode ser complicado.

Além disso, tempestades de areias são comuns.

A terra do local é bastante vermelha e não há casas no local. Isto porque a maioria das residências, na verdade, ficam debaixo de terra, mas não é porque a região é assim que os cidadãos não precisam ter um estilo de vida bonito. Existem vários quartos e casas inteiras no subsolo.

Do lado de fora, quem passa pode achar que o ambiente não é muito convidativo. Uma simples porta no meio da terra é o portal de entrada para quem quer ir para um hotel na região.

Em alguns locais, é claro, há buracos. É por eles que entra a luz natural e também um pouco de ar. Quem mora no local garante que ele é bastante confortável, mas talvez o ambiente não é recomendável para quem tem claustrofobia, afinal, tudo é bastante fechado.

 

Com cerca de 2.000 habitantes, Coober Pedy foi originalmente erguida para abrigar uma comunidade de mineiros de opalas.

Devido às temperaturas elevadíssimas que se fazem sentir na zona, os locais encontraram uma forma de viver nada convencional.

Coober Pedy é quase exclusivamente uma cidade subterrânea.

No interior do terreno vermelho, a cidade estende-se por largos quilómetros de túneis criados pelo homem e que são decorados com mobiliário que normalmente vês em habitações térreas.

Existem até hotéis, nos quais podes fazer “check-in” se desejares conhecer o local.

Muito embora metade das habitações esteja acima e outra metade abaixo do solo, elas são desenhadas para oferecerem os mesmo conforto que se pode encontrar em qualquer casa moderna.

Tudo teve início no já distante ano de 1915, quando um pai e o filho chegaram à área em busca de ouro.

Invés de encontrarem ouro, os pioneiros encontraram uma pedra preciosa chamada opala, que rapidamente ganhou fama no exterior. Porém, devido às altas temperaturas sentidas na área, os mineiros acharam por bem começar a procurar abrigo nas próprias minas invés de na superfície.

Actualmente, existem aproximadamente 1500 habitações em Coober Pedy.

A cidade é também a maior fornecedora de opalas do mundo, tornando assim o modo de vida dos locais tão famoso como as inusitadas habitações. Na verdade, o nome da cidade significa “furo do homem branco” um termo aborígene cunhado na década de 1920.

Não existem apenas casas e hotéis no subsolo. A cidade também tem uma magnífica igreja…

e uma biblioteca para os moradores locais e turistas.

Uma joalharia que comercializa lindas opalas mineradas na zona…

e também um fantástico bar para quando o calor aperta.

Na superfície eles também têm um campo de golfe.

Uma cidade fascinante!

Gostavas de visitar Coober Pedy?


Artigos Relacionados:

1 comentário

    • Manny Carvalho on 20 de Agosto de 2018 at 0:53
    • Responder

    Parabens por uma excelente reportagem sobre Coober Pedy,e factual,eu passei alguns meses na Cidade,a procura de elusiva ‘pedra’ (opal),a cidade e a aprox 700klm ao sul de Alice Springs,a autoestrada Sturt,passa por Coober Pedy,aonde tem boa acomodacao a precos moderados,incluindo acomodacao para “Backpackers”Nos ultimos anos tenho passado o nosso inverno a viajar nesta parte do Mundo,gosto de atravessar o deserto Simpson de Birdsville para Dalhousie (460 Klm,aprox 25 hrs) com mais k 1100 dunas e depois continuar para ir ver Lake Eyre (lagoa) uma area k ocupa perto de 9,500 Klm2 (144 Klm de comprimento).A travessia do Simpson so deve ser feita por quem sabe conduzir e tem um vehiculo preparado para viajar em terreno hostil .

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.